Seguidores

terça-feira, 23 de junho de 2009

Jõao e Maria (contos)











Numa casa perto da floresta vivia um lenhador muito pobre. Ele tinha
dois filhos: João e Maria.

A mãe das crianças havia morrido e o lenhador casara de novo com uma
mulher malvada.

Uma noite a mulher queixou-se ao lenhador:

- A comida acabou e estamos sem dinheiro para comprar mais. Só há
um pouco de pão para dar às crianças amanhã cedo.

Precisamos abandonar os dois na floresta, pois não temos com que
sustentá-los.

- "Abandonar?", perguntou o lenhador, assustado. " Não pretendo fazer
isto com meus filhos!"

Mas a mulher, que era feiticeira, ameaçou transformar as crianças em
sapos se o lenhador não concordasse.

João e Maria ouviram a conversa. Maria começou a chorar, com medo
de ficar perdida na floresta. João, que era muito esperto, teve uma
idéia:

- Vou ao quintal apanhar umas pedrinhas para marcar o caminho. Assim
saberemos voltar.

Ouvindo isso, Maria ficou tranqüila. João saiu quietinho e encheu os
bolsos de pedrinhas brancas.

Na manhã do dia seguinte João e Maria fingiram que não sabiam de
nada. Quando sentaram à mesa para tomar café, a madrasta lhes disse:

- Aqui está um pedaço de pão para cada um. Guardem para o almoço,
pois seu pai vai cortar lenha muito longe e nos vamos com ele.

Puseram-se todos a caminho. 0 pai e a madrasta iam na frente. As duas
crianças ficaram mais para trás, e João ia deixando cair as pedrinhas
enquanto andava.

Quando chegaram ao meio da floresta, a madrasta ordenou às crianças:
- Sentem-se aqui e comam o pão, enquanto vou com seu pai cortar
lenha. Não saiam daqui até voltarmos.

Assim, o lenhador e a mulher se afastaram, deixando João e Maria
sozinhos no mato.

No dia seguinte as crianças foram levadas de novo para a floresta.
Desta vez João não pôde ir ao quintal juntar pedrinhas brancas: a porta
estava fechada com ferrolho e ele não conseguiu sair de casa. Mas
deixou cair pedacinhos de pão para marcar o caminho.

A madrasta abandonou as crianças num lugar ainda mais longe. João
não se preocupava, porque tinha marcado o caminho para voltar.
Mas, quando ele e Maria procuraram os pedacinhos de pão, nada
encontraram: os passarinhos da floresta tinham comido tudo!

- "Que vai ser de nós agora?", perguntou Maria, choramingando de
medo.

- "Vamos tratar de dormir", disse João. "Amanhã daremos um jeito de
voltar para casa."

Durante três dias e três noites as crianças vagaram pela floresta, sem
achar o caminho de casa. Onde havia uma casinha.














A casinha era feita de pão-de-ló, com telhado de chocolate e janelas de
pão-de-mel. João e Maria puseram-se a comer a casa, até que uma voz
gritou lá de dentro:

- Quem rói minha casinha?

Mas, no dia seguinte, tudo mudou. A velha chamou os dois para irem
ver o estábulo, e fechou João lá dentro!

- "Fique ai até virar um leitãozinho bem gordo para eu comer", disse a
velha, que era uma feiticeira.

- "E você", continuou a velha, falando com Maria, "terá
que cozinhar e fazer todo o serviço da casa!"



Todos os dias a velha obrigava Maria a levar comida para o irmãozinho.

Depois perguntava se João já tinha engordado. Como a velha não
enxergava bem,

Maria dizia que ele ainda estava muito magrinho.

A velha cansou de esperar que João engordasse. Um dia resolveu
esquentar bem o forno e disse para Maria:

- "Vou assar pão. Ponha sua cabeça lá dentro para ver se o forno já está
bem quente."

- "Minha cabeça não cabe aí dentro!", respondeu Maria. "Ora, cabe até a
minha que é maior!", disse a velha.

Maria fingiu que não acreditava. Quando a velha meteu a cabeça no
forno para mostrar como cabia, a menina deu-lhe um empurrão e
fechou a velha lá dentro!

Depois, mais que depressa, pegou a chave do estábulo e correu a soltar
o irmãozinho.

Maria contou a João que a velha escondia um tesouro embaixo da cama.

Os dois puseram tudo num cofre e em seguida fugiram levando as
riquezas da bruxa.

Depois de andar muito pela floresta, João e Maria chegaram em casa.
Encontraram o pai no quintal, chorando de saudade deles. Os três se
abraçaram, contentes por estar juntos novamente.

João e Maria mostraram ao pai o tesouro que haviam trazido, com o
qual não faltaria mais comida.

O pai contou então que a madrasta tinha caído no rio e morrera
afogada. Assim os três nunca mais se separaram e viveram sempre
felizes.

veja os vídeos


Versão Oral ( base Irmãos Grimm)




Atividades

1. Hora do conto
2.Dramatização
3.Versões do conto
4.Produção de texto



Exemplo

NOME DE DOCES

JOÃO E MARIA FORAM ABANDONADOS NA FLORESTA E, COMO ESTAVAM PERDIDOS, CAMINHARAM SEM RUMO.
AO LONGE AVISTARAM UM CASINHA TODA FEITA DE DOCES. O QUE ELES NAÕ SABIAM É QUE ELA ERA DE UMA TERRÍVEL VELHA MÁ !

FAÇA UMA LISTA DOS DOCES QUE VOCÊ IMAGINA QUE A VELHA MÁ COLOCOU NA CASA PARA DEIXAR AS CRIANÇAS COM ÁGUA NA BOCA.
_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________













2 comentários:

  1. Saudações!
    Amiga Ismaelita!
    Um Post Fascinante!
    Um lindo conto, para todas as idades!
    Parabéns!
    LISON.

    ResponderExcluir